A Pró-reitoria de reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação do IFMA (PRPGI) lançou um manual com orientações sobre o currículo lattes, com o objetivo de fornecer informações para o correto preenchimento na plataforma do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Para acessar o manual, clique aqui.

O currículo lattes se tornou um padrão nacional no registro da vida pregressa e atual dos estudantes e pesquisadores do país. E por sua riqueza de informações e sua crescente confiabilidade e abrangência, tornou-se elemento indispensável e compulsório à análise de mérito e competência dos pleitos de financiamentos na área de ciência e tecnologia. “Temos um número significativo de pesquisadores e havia alguns problemas quanto ao correto preenchimento do currículo lattes”, informou Lígia Costa Dias, diretora de Pesquisa da PRPGI.

Os dados do lattes são utilizados como pontuação em projetos submetidos aos editais da PRPGI. De acordo com Leonardo Brito Rosa, coordenador de Redes e Sistemas da Diretoria de Gestão da Tecnologia da Informação do IFMA (DGTI), o Sistema Unificado de Administração Pública (SUAP) atualiza, diariamente, os lattes dos servidores quando há modificações. “O sistema lattes é atualizado a cada 2 horas e o SUAP roda uma rotina de atualização diária, importando todos os dados que são cadastros pelo pesquisador no lattes”, explicou Leonardo.

“Detectamos, por meio do sistema SUAP, que havia preenchimento equivocado, com colocação de informações em áreas do sistema que não eram adequadas”, afirmou Lígia. “Isso afetava o nosso trabalho, pois quando o pesquisador não preenche corretamente o seu lattes, ele tem prejuízos no momento do sistema SUAP calcular a pontuação, na concorrência de nossos editais”, complementou.

Hoje, um dos critérios para que os pesquisadores recebam bolsa de iniciação científica é o currículo lattes que corresponde a cerca de 50% da nota atribuída, enquanto 50% se refere ao projeto especificamente. “Se o pesquisador não identifica no lattes que tem vínculo com o IFMA, o sistema SUAP não consegue identificar o currículo do pesquisador na base de dados do CNPq e a pontuação fica zerada”, assinalou Lígia. Outro problema comum é a inserção de informações em áreas equivocadas dentro do currículo lattes, com ocorrência de distorções na pontuação.

“É preciso que o currículo seja pontuado de forma correta para que não haja prejuízo ao pesquisador e nem aos seus concorrentes nos processos de seleção de bolsas de iniciação científica”, prosseguiu Lígia.

Orientação para servidores e estudantes

Todo servidor pesquisador ou estudante que tenha interesse em desenvolver pesquisa científica na instituição deve ter o seu currículo lattes atualizado. “Os docentes são obrigados a se engajar em ações de ensino, pesquisa e extensão e os estudantes que pretendem ingressar na iniciação científica também devem ter currículo lattes”, disse Lígia. “Mas os editais lançados pela PRPGI são abertos a todos, sem distinção entre docentes e técnico-administrativos”, conclui Lígia.

Para a diretora de Planejamento Institucional e Desenvolvimento Humano (DIPIDH), Clarisse Medeiros, é importante que o servidor faça a atualização do lattes. “Nas ações de desenvolvimento institucional precisamos de uma base de dados que nos diga quais são as áreas das capacitações”, afirmou Clarisse.

“Essa informação vai nos nortear em relação a convênios, Minter, Dinter e até para formarmos o nosso quadro de multiplicadores na instituição”, prosseguiu Clarisse. “Com a atualização, teremos uma fonte segura de informações e facilitaria muito o nosso trabalho de coleta de dados”, assinalou. “Se todo servidor tivesse um lattes conseguiríamos saber a sua qualificação, os seus interesses, os tipos de seminários que participa, os tipos de capacitação que ele busca”, continuou.

“Mesmo que o servidor não esteja produzindo artigos científicos, poderemos verificar quais são as suas linhas de interesse, principalmente para o servidor graduado e promover a sua capacitação, com alinhamento entre o que o órgão regulador projeta e aquilo que o servidor efetivamente faz”, concluiu.

FONTE: https://portal.ifma.edu.br/2020/02/28/lattes-ifma-lanca-manual-de-orientacao-a-servidores-e-estudantes/